Como já não havia bifanas,
o faquir comeu um prego no pão.


fonte: ironia do destino