Ontem cheguei à pastelaria lá da rua e como de costume, dirigi-me ao empregado e pedi:
- Queria um pastel de nata. Quentinho...

O empregado, simpático como é hábito e sabe que gosto deles frescos disse:
- Que sorte tem a menina, acabaram de sair!

Fiquei desgostosa com aquela situação pouco habitual e em tom de lamento suspirei e perguntei-lhe:
- Oh! E quando voltam?

Ele sentido pela minha tristeza começou a chorar comigo.
Só depois percebi que chorava de tanto rir.
Nunca mais comi pasteis de nata acabados de sair.