Uma leve biografia, que dispõe bem e dá alegria, só poderia ser escrita por uma pessoa... E essa pessoa já o fez.
De uma forma não muito pouco séria,o "nosso" cronista de serviço às quintas, consegue com esta crónica, fazer com que possamos ver com os dois olhos no início, e mesmo só com um no fim: a verdadeira história contada da nossa história passada.

E se por acaso não entenderam bem o que quis dizer no parágrafo anterior, a culpa é do Camões que me deu a volta ao cérebro com a mania de que os seus trocadilhos tinham de dar sempre em versos decassilábicos.

Camões e Aristides: Dois ilustres portugueses

"Foi em Coimbra que Camões, ainda com os dois olhos, leu os clássicos, ao mesmo tempo que se divertia com as donzelas semi-virgens do Mondego, tendo, de acordo com Vicente Jorge Silva, feito parte da geração rasca do Renascimento Universitário, Cultural e Artístico Português."
Ler crónica completa »