Um tribunal beduíno condenou um homem a pagar 46 camelos, na comutação de uma pena que previa também que lhe seja cortada a língua, por ter lançado um piropo a uma mulher de uma outra tribo.

O caso, relatado pelo diário egípcio «Ajbar al Yom», passou-se no sul da península do Sinai, onde vigoram leis especiais impostas pelos próprios beduínos.
O acusado lançou piropos a uma mulher, que na altura cuidava do gado, ao passar de carro, pelo que deverá também entregar o veículo, segundo a pena imposta.
Além disto deverá pagar quarenta camelos ou o equivalente ao seu valor, calculado em 80.000 libras egípcias (mais de 10.000 euros).
A sentença original previa ainda que se cortasse a língua ao infortunado galã, mas após três horas de árduas negociações entre o tribunal, os advogados e as famílias, foi decidido comutar a pena no pagamento de mais seis camelos.
Um destes animais terá de ser «original», quer dizer de uma raça muito apreciada pelos árabes pela sua velocidade superior.
Entre as acusações a que teve de responder o condenado figura a de ter prejudicado a mulher durante as suas horas de trabalho já que teve de abandonar o gado para ir queixar-se à família.
Um dos advogados da mulher assinalou como agravante que não tinha havido nenhum prévio pedido de namoro.
De acordo com as leis beduínas, o homem deve comunicar o seu interesse por uma mulher a um emissário, que transmite a mensagem à visada e fica à espera que dê o seu consentimento.

Fonte: PortugaDiário